CAMPANHA
CONCEIÇÃO EVARISTO é uma escritora reconhecida na Literatura por obras como Becos da Memória, Ponciá Vicêncio, Insubmissas Lágrimas de Mulheres, Histórias de Leves Enganos e Parecenças, Poemas da Recordação e Outros Movimentos. É uma intelectual que escreve a partir de referências históricas, como a Escravidão, e suas vivências num país ainda atravessado pelo racismo e a desigualdade. Conceição chama seu estilo de “escrevivência”, o que lhe permite, a partir do ponto de vista de uma mulher negra e periférica, recontar episódios que foram deturpados pelo poder, que no Brasil é, invariavelmente, branco, masculino, patriarcal, conservador, autoritário. Considerando que Machado de Assis, fundador da Academia Brasileira de Letras, era negro, a conquista da cadeira número 7 da Academia Brasileira de Letras, por Conceição Evaristo, nos parece necessária, natural e possível. Considerando nosso longo histórico escravocrata e que em mais de 120 anos da fundação da Academia, nenhuma mulher negra esteve nesta posição. Por isso, Conceição Evaristo merece ser o próximo nome a constar nos livros de História ,enquanto a primeira mulher negra a ingressar na ABL. “A candidatura de Conceição Evaristo à Academia Brasileira de Letras busca reconhecer não só sua grande qualidade literária, a sua efetivamente capacidade de narrar, como também um processo histórico de reconhecimento da presença negra na literatura. Não é razoável que uma academia, fundada por um negro, tenha apenas um negro participante dela e nenhuma mulher negra. Então está mais do que na hora da gente contar com a representação considerando o momento necessário de afirmação das lutas identitárias no Brasil e da importância do reconhecimento da dignidade e da força negra neste país”, informa Jailson de Souza e Silva, fundador do Observatório de Favelas, Instituto Maria e Joao Aleixo. Participe do Twittaço nos dias 7 e 20 de junho, a partir das 18h com a hashtag #ConceicaoEvaristoNaABL
CONCEIÇÃO EVARISTO
Conceição Evaristo nasceu em 29 de dezembro de 1946 numa favela da zona sul de Belo Horizonte, Minas Gerais. Filha de uma lavadeira que, assim como Carolina Maria de Jesus, matinha um diário onde anotava as dificuldades de um cotidiano sofrido, Conceição cresceu rodeada por palavras. Teve que conciliar os estudos com o trabalho como empregada doméstica, até concluir o curso Normal, em 1971, já aos 25 anos. Uma das principais expoentes da literatura Brasileira e Afro-brasileira atualmente, Conceição Evaristo tornou-se também uma escritora negra de projeção internacional, com livros traduzidos em outros idiomas. Publicou seu primeiro poema em 1990, no décimo terceiro volume dos Cadernos Negros, editado pelo grupo Quilombhoje, de São Paulo. Desde então, publicou diversos poemas e contos nos Cadernos, além de uma coletânea de poemas e dois romances. A poeta traz em sua literatura profundas reflexões acerca das questões de raça e de gênero, com o objetivo claro de revelar a desigualdade velada em nossa sociedade, de recuperar uma memória sofrida da população afro-brasileira em toda sua riqueza e sua potencialidade de ação. É Uma mulher que tem cuidado de abrir espaços para outras mulheres negras se apresentarem no mundo da literatura. Fonte: http://www.palmares.gov.br/conceicao-evaristo